Crônica - O Príncipe e a Rosa


Numa quinta-feira a noite, ele tropeçou perto dela, Thália, uma colega de classe que chorava:

"- O que aconteceu, Thália?"

"- Nada não, Davi..."

"- Certeza?"

"- Certeza. Não liga não... Eu vou ficar bem..."

"- Detesto ver uma moça bonita, como você, chorando... Então faz assim, eu te ligo domingo, você estando ou não bem, a gente vai sair e rir muito. Combinado?"

"- Ah, não sei se quero sair..."

"- Até lá você você vai se decidir. Te ligo, tá bom?"

"- Tá..."

Passaram a sexta, o sábado e o domingo chegou. Thália havia chorado muito esses dias. Heitor, seu ex-namorado, havia rompido o relacionamento com ela e não se sentia bem consigo mesma. O telefone de Thália que estava no vibra-call começa a chamar e ela vê que é Davi. Thália pensa um, dois, três, quatro toques e no quinto ela atende.

"- Oi, Davi! Tudo bem? Pode falar..."

"- Oi, Thália! Eu tô bem... E você?"

"- Estou bem também." ela mentiu.

"- Então, Thália! Vai rolar um barzinho novo na cidade e a inauguração é hoje. Consegui dois convites VIP's para nós dois. Passo aí às 19h00, pode ser?"

"- Ah, Davi... Melhor não... Não sei se serei uma boa companhia..."

"- Thália, eu serei a sua. Não se preocupe comigo!"

"- Tem certeza? Não vou te atrapalhar?"

"- Você nunca me atrapalharia."

Naquela noite, Thália e Davi saíram pela primeira vez. Dançaram, riram, cantaram, se divertiram. Thália adorou a companhia de Davi e nem viu a hora passar. Ao deixá-la em casa, Davi depois de se despedir já lançou outro convite:

"- Quarta a noite. Vamos ver o novo filme do Homem-Aranha, tá bom?"

"- Ah, Davi... Vamos ver... Hoje fiquei melhor, mas não sei quarta... e a gente tem aula!"

"- A gente recupera o conteúdo depois... E outra, é bom quebrar um pouco a rotina!"

"- Ah, vamos ver... Se eu estiver bem..."

"- Relaxa, linda. Passo aqui às 18h, tá bom?"

"- Tá bom, combinado. Dirige com cuidado, tá?"

"- Pode deixar, linda!"

Saíram na próxima quarta para o cinema e Thália adorou o filme. Resolveram criar uma rotina de saídas e pelo menos uma vez por semana lá estavam Thália e Davi, que formaram uma grande amizade que aos poucos foi ajudando a diminuir a tristeza causada pela ausência de Heitor. Davi sempre lhe fazia sorrir, contava histórias engraçadas, apresentava filmes que ela desconhecia e falava sobre todos os assuntos que pudessem imaginar. Seus assuntos eram inesgotáveis.

O tempo passou e em um final de semana que não se encontraram, Thália foi passar o final de semana na casa de uns parentes. Lá conheceu Leandro, rapaz atlético, presença imponente e que logo atraiu a atenção de Thália. Em um momento de descuido, quando ninguém via, Leandro roubou um beijo de Thália que encheu sua barriga de fagulhas. Passaram a noite juntos e prometeram se ver. Ao retornar para sua casa, fez questão de encontrar Davi para lhe contar as novidades.

"- Davi, acho que superei o Heitor. Conheci um cara... Leandro... Ficamos no final de semana."

E Thália contou tudo o que sentiu para Davi, sensações, a redescoberta por ser uma mulher desejada. Davi prestou atenção em todos os detalhes, fez algumas perguntas, até que Thália lhe perguntou:

"- Davi... O que você acha? Devo continuar?"

"- Thália, se você está feliz, por que não arriscar?"

Ela esperava alguma censura, algum conselho contrário, uma declaração de amor talvez, menos aquilo.

"- Você acha?"

"- Sim. O que você tem a perder? Se for bom, você vai ser feliz. Se não for, valeu a experiência."

"- Ai, Davi... Obrigada."

Se abraçaram e conversaram sobre muitos outros assuntos. Afinidade eles tinham de sobra e assunto também.

* * * * * * * * * *
Em duas semanas, Thália começou a namorar Leandro e em outras duas semanas começou a rarear as conversas com Davi. Em pouco tempo, Davi era a memória de um bom amigo que a ajudou em um dos momentos mais tristes de sua vida. Eventualmente lembrava de Davi, mandava um SMS com poucas palavras para ele que sempre eram respondidas com algum emoticon de alegria. 

O namoro com Leandro vivia de altos e baixos. Thália sabia que não daria certo, mas insistia até um provável fim, que inevitavelmente chegou. Leandro, como Heitor, agora era seu ex-namorado. E ela estava sem chão. Ela tinha se afastado de todos os amigos por causa do namoro. Com os olhos cheio de lágrimas e o coração apertado, lembrou de Davi, pegou seu celular e ligou pra ele.

"- Davi... O Leandro terminou comigo..."

"- Caramba! Linda, aonde você está? Vou aí te ver..."

"- Tô em casa... Não vou te atrapalhar?"

"- Você nunca me atrapalha."

Em vinte minutos Davi e Thália se encontraram. Ela chorou, ele a consolou. Thália se lembrou de todos os momentos que viveu ao lado de Leandro e se desculpou por se ausentar de Davi.

"- Faz parte, Thália."

Davi propôs que não ficassem em casa e logo voltou a sair com Thália, a dar motivos de alegria para ela, mesmo que ela se encontrasse naquele momento de sua vida com o coração despedaçado. Aos poucos ela foi se curando daquela dor, seu universo voltou a ter mais vida e Davi passou a ser uma presença imprescindível em sua vida, pois ela sabia que ele era uma pessoa rara. Certa noite, enquanto assistiam deitados no gramado da faculdade em silêncio uma lua cheia prateada em um céu pontilhado de estrelas, Thália virou-se para Davi e perguntou porque ele era assim com ela, sempre disposto a buscar o seu melhor. Davi pensou e finalmente começou a responder com uma pergunta.

"- Já leu O Pequeno Príncipe, Thália?"

"- Não, mas acho que eu conheço a história."

"- Então, como na história, quando nossas vidas se cruzaram, eu coloquei na cabeça que queria ver você feliz e, como o Pequeno Príncipe fez com sua Rosa, eu acabei cuidando para que você não sofresse mais. Quando começou a namorar o Leandro e se afastou de mim, foi como na história, deixei você com algumas lagartas para que virassem talvez borboletas na sua vida. Mas agora que as borboletas se foram, não sei se o Leandro era uma, você me chamou e eu tive que voltar para deixá-la novamente feliz."

"- E eu sou sua Rosa então?"

"- Então... Como no livro, Thália, o Pequeno Príncipe descobre que sua rosa não era única. Era igual a outras cem mil ou mais. Mas ele fez dela uma amiga e então ela se tornou única. E ele sabia que tinha se tornado eternamente responsável por ela."

"- Eternamente responsável por aquilo que cativa..."

"- E por mais que nossos caminhos se encontrem e se desencontrem, irei proteger e cuidar de você sempre que precisar. Porque você é a única em minha vida."

"- Ninguém nunca me disse nada assim antes..."

"- Eu sei..."

Eles se entreolharam, o silêncio se instalou e um beijo aconteceu. Daquela grande amizade surgia agora um grande amor. Entre o Príncipe e a Rosa.

1 Comentários:

Thiago disse...

Mto bom .. Ta de parabéns !!